Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

A automutilação é um transtorno que merece bastante atenção e precisa ser tratado. Esse distúrbio tem aumentando entre jovens e, logo, preocupado muitas famílias. Para abordar e discutir o assunto, Rhayra, de 17 anos, que já passou por isso, dá seu depoimento no programa. Além dela, as apresentadoras Roberta Manreza e Mariana Kotscho recebem Rodrigo da Silva Dias, psiquiatra, e Liane Cordeiro Castelo, mãe da Rhayra e da Lívia, de 4 anos. O programa vai ao ar nesta terça-feira (4/9), às 11h45 e às 17h45, na TV Cultura, no aplicativo Cultura Digital e no YouTube.

Depois de participar da conversa sobre a doença, a adolescente Rhayra deixa uma mensagem para aqueles que possuem depressão e se automutilam: “eu já passei por isso e eu sei que as pessoas que se cortam sofrem uma pressão muito grande. Os pais devem apoiar muito. Os amigos de escola têm de se aproximar mais delas, não podem deixá-las sozinhas. Porque quando elas se sentem sozinhas, sem amor, sem nada, elas começam se cortar mais e acabam se matando”.

No programa, o psiquiatra Rodrigo da Silva Dias aborda a maneira como os pais podem agir com seus filhos, “deixando claro que se possa falar na família sobre transtornos e problemas mentais. Compartilhar o estresse ou o sofrimento emocional é fundamental”. Eles também falam de alternativas para ajudá-los a superar a automutilação

O Brasil não tem estatísticas oficiais sobre o assunto, mas, de acordo com estudos americanos, 25% das meninas e 10% dos meninos dizem sofrer deste mal. É com esse número que os ambulatórios de adolescentes do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Hospital Universitário de Brasília trabalham.