Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Patrícia Campos Mello no Jornal da Cultura

O Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta, entidade que mantém a TV Cultura, emitiu nesta quarta-feira (12) uma nota de repúdio às difamações das quais a jornalista Patrícia Campos Mello foi vítima.

Repórter da Folha de São Paulo e comentarista frequente do Jornal da Cultura, Patrícia foi citada na CPMI das Fake News pelo blogueiro Hans River, que declarou que a jornalista havia se insinuado sexualmente para ele em troca de informações.

A Folha de São Paulo publicou na última terça-feira uma reportagem desmentindo os pontos mencionados na CPMI, e incluiu trechos de conversas entre a repórter e o blogueiro que comprovam inconsistências no depoimento.

A âncora do programa Roda Viva, Vera Magalhães, idealizou um manifesto em apoio a Patrícia. Mais de mil jornalistas mulheres assinaram o documento. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, também se posicionou a favor de Patrícia: "falso testemunho, difamação e sexismo têm de ser punidos no rigor da Lei", declarou Maia pelo Twitter.

A deputada Lídice da Mata (PSB-BA), relatora da CPMI das Fake News, vai acionar o Ministério Público para investigar Hans River.


Confira a íntegra da nota divulgada pela Fundação Padre Anchieta:

O Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta e a Direção Executiva da TV Cultura repudiam veementemente as difamações caluniosas dirigidas à jornalista Patrícia Campos Mello durante recente sessão da CPMI das Fake News.

Os ataques à jornalista, proferidos em pleno Congresso Nacional, evidenciam uma tentativa de intimidação dirigida não somente a ela, mas a todos os profissionais compromissados com a prática democrática do jornalismo independente - agravada por acintoso e repugnante machismo, que ofende todas as mulheres que, a exemplo da Patrícia Campos Mello, exercem suas atividades profissionais com dignidade.

Diante desse episódio, a Fundação Padre Anchieta e a TV Cultura posicionam-se ao lado da colega Patrícia Campos Mello, contra a agressão brutal que lhe foi dirigida, e em defesa do jornalismo independente e democrático.