Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Para começar 2019 com o pé direito, o Metrópolis apresenta uma edição especial com a dona de uma das vozes mais marcantes do País: Elza Soares. Apresentado por Adriana Couto e Cunha Jr., o Especial Metrópolis com Elza Soares tem uma hora de duração. Nele, o público acompanha muita conversa com a cantora, suas memórias, o último álbum, a extensa agenda de shows, os prêmios, a biografia e, claro, o melhor da música com a artista, dona de um timbre único. O programa vai ao ar no primeiro domingo do ano (6/1), às 19h30, na TV Cultura, no YouTube e no app Cultura Digital.

O Metrópolis relembra diversas passagens de Elza Soares pelo programa, seja pelos palcos do Brasil ou no próprio estúdio da atração. Cunha Jr. destaca a participação da artista com José Miguel Wisnik. “Você estava lançando Do cóccix até o pescoço, que eu acho que das reviravoltas, começou ali, o Wisnik como seu diretor artístico e a sua parceria com ele”. Elza fala o que representou o disco para ela: “eu tenho uma paixão pelo Wisnik muito grande. Por esse compositor paulistano maravilhoso, brasileiro. E um carinho e um respeito por ele, porque ele representa muito para nós”.

Adriana Couto pergunta se Elza tem vontade de cantar algum ritmo ou fazer algo que ainda não fez: “eu quero cantar tudo que eu puder”. A cantora fala sobre a sua voz potente e sobre como surgiu seu jeito tão peculiar de cantar. “Eu carregava água e cada vez que eu pegava uma lata de dez litros ou de 20 litros cheia, para subir até a cabeça, eu dava um gemido. Falei: ‘isso vai dar som’”.

Elza fala sobre seu último disco, Deus é Mulher, produzido por Guilherme Kastrup, que conta com a contribuição de vários nomes femininos, como Tulipa Ruiz, Mariá Portugal, Alice Coutinho e Maria Beraldo. “Eu conversei muito com o Kastrup, que a gente queria mais mulheres. Falar mais das mulheres. Já que Deus é mulher, vamos trazer mulheres para nós”.

A artista também menciona a biografia Você Soberana, escrita pelo jornalista Zeca Camargo, que passou cerca de dois anos conversando com a cantora para escrever o livro. “O Zeca é tão genial, é tão fabuloso, que a gente falou o tempo todo e eu não chorei. Chorei muito no musical”, diz, ao referir-se ao espetáculo Elza, que revê sua história por meio da encenação de sete atrizes.

No especial do Metrópolis, a cantora também diz quais são as novidades para 2019. “Vem o documentário, vem o filme também, que a Taís Araújo vai fazer a Elza. Tem muita coisa que a gente está sonhando e, dentro dos sonhos, a gente sempre realiza alguma coisa boa”.

As histórias de Elza Soares são entremeadas por apresentações musicais. No estúdio do Metrópolis, a diva da MPB canta a O que se cala (Douglas Germano), Banho (Tulipa Ruiz), Dentro de cada um (Pedro Loureiro e Luciano Mello), A Carne (Marcelo Yuka, Seu Jorge e Ulisses Cappelletti) e Exú nas escolas (Kiko Dinucci e Edgar).