Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Exibidas desde o mês de maio, as entrevistas com os pré-candidatos à Presidência da República, promovidas pelo programa Roda Viva, da TV Cultura, apresentaram números expressivos no ambiente digital, com cerca de 16,2 milhões de visualizações nas redes sociais. Apenas no Facebook, as dez edições foram assistidas por aproximadamente 6,8 milhões de internautas – com destaque para a de Jair Bolsonaro, com 3.574.957 visualizações e alcance superior a nove milhões de pessoas.

As curtidas na página do programa também cresceram 32% desde o início das entrevistas com os presidenciáveis. Já no YouTube, os views ultrapassam a marca de 9,2 milhões. Para se ter ideia, a edição com o candidato do Partido Social Liberal (PSL) passou o dia 31 de julho, que sucedeu a transmissão na televisão, ocupando o primeiro lugar nos vídeos em alta da rede. No Twitter, seis das dez edições levaram a hashtag #RodaViva aos Assuntos Mais Comentados do Mundo (Trending Topics Worldwide), sendo que três delas ocuparam o primeiro lugar no ranking global – Manuela D’Ávilla, Geraldo Alckmin e Jair Bolsonaro. As outras quatro, por sua vez, figuraram na lista de principais assuntos no Brasil.

Outro ponto relevante diz respeito às buscas no Google pelos nomes dos candidatos nos dias em que suas respectivas entrevistas foram exibidas. Diversos presidenciáveis - como Guilherme Boulos, do PSOL; Manuela D’Ávila, do PCdoB; Geraldo Alckmin, do PSDB; e Jair Bolsonaro, do PSL – tiveram seus picos de pesquisa no site durante o período de disputa pré-eleitoral exatamente na data em que foram sabatinados pelo programa. Já o pré-candidato pelo PSD, Guilherme Afif, teve o maior índice de procura por seu nome nos últimos cinco anos.

Esses números também revelam uma renovação do público do mais tradicional programa de entrevistas brasileiro. Enquanto na televisão o Roda Viva é visto majoritariamente por pessoas de mais de 50 anos, correspondente a 57% dos telespectadores do jornalístico, no Youtube, 47% dos mais de 500 mil inscritos no canal oficial do programa têm menos de 34 anos.

Ricardo Fiuza, diretor do Cultura Digital, relata o processo responsável por esse desfecho. “Os resultados positivos são fruto de todo um planejamento e análise de métricas voltados a esse projeto em especial. A partir da ação conjunta entre as áreas e plataformas envolvidas, incluindo as assessorias dos entrevistados, ampliamos a interatividade e o alcance de nossos conteúdos nas diferentes redes no decorrer das edições com presidenciáveis. Foram mais de 100 países que acessaram o programa e é esse o patamar que queremos repetir nas próximas ações do universo digital: dar acesso à informação a todos os brasileiros, em todos os cantos do mundo”.

Cabe dizer que a interatividade citada por Fiuza foi ampliada no decorrer das edições com presidenciáveis, incorporando vídeos com perguntas enviados pelos espectadores por meio do aplicativo Cultura Digital e a transmissão ao vivo do programa pelo Twitter. Essas ações somaram-se às transmissões pelo YouTube, Facebook, site e aplicativo, tweets dos telespectadores na tela durante o programa, além da cobertura das entrevistas em tempo real pelo Twitter, incluindo a realização de lives exclusivas pré e pós-programa.

A visão de Ricardo Taira, diretor de Jornalismo da TV Cultura, vai ao encontro dessa perspectiva: “a série de presidenciáveis mostrou o que já imaginávamos. O público como um todo tem se engajado em outras formas de receber informação, e uma delas é justamente por meio da internet”.