Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Sobre quais bases de pensamento as crianças e adolescentes constroem suas visões de mundo? Existem papeis pré-estabelecidos que determinam como garotos e garotas devem se comportar na sociedade? Para discutir esses e outros pontos relacionados a Gênero, direito e cuidado, o Café Filosófico desta semana recebe Adriana Vidal de Oliveira, doutora em Teoria do Estado e Direito Constitucional. Apresentada por Clarissa Kiste e Kiko Bertholini, a atração vai ao ar neste domingo (27/5), às 21h, na TV Cultura, no YouTube e no app Cultura Digital.

Vivemos em um período de transformações sociais intensas, que devem marcar para sempre a história da humanidade. A construção de novas relações de gênero, por exemplo, passa a ser essencial para edificação de um modelo de comportamento menos excludente e mais colaborativo. Partindo dos estudos da psicóloga norte-americana Carol Gilligan, Adriana Vidal de Oliveira aborda questões como a hegemonia do pensamento masculino e formas jurídicas que podem ser implementadas para suprimir e modificar estereótipos de feminilidade e masculinidade.

O encontro, que faz parte da série Do Paradigma da Dominação ao Paradigma do Cuidado, discute a licença maternidade e paternidade no Brasil, mostrando como o compartilhamento da experiência pode auxiliar na construção de novas concepções em relação ao gênero – na medida em que ambos os genitores são responsáveis diretamente pelos cuidados da criança. Nessa mesma linha, a advogada e palestrante também explora a estruturação da ética de valorização do cuidado entre as teorias feministas.

Sobre a série Do Paradigma da Dominação ao Paradigma do Cuidado

Organizada em torno das ideias centrais de conflito, conquista e dominação como características fundamentais das relações entre os homens e destes com a natureza, o paradigma da dominação apresenta inequívocos sinais de crise. Possuindo raízes profundas no falogocentrismo do patriarcado, essa concepção paradigmática sofre o severo impacto do próprio patriarcado.

A crise do paradigma apresenta dois fatores fundamentais: por um lado deixa evidente a cristalização de impasses insuperáveis na situação vigente, tornando imprescindível uma profunda transformação das ideias do imaginário que geraram a situação em crise; por outro, à medida em que dita transformação e se configura como uma necessidade, abre uma oportunidade para a criação de um novo imaginário, isto é, uma outra maneira de conceber os homens, suas sociedades e suas formas de produção.

Nesse contexto, é possível assinalar a emergência de elementos de um novo paradigma: o do cuidado, sustentado no reconhecimento da alteridade, que tem na empatia natural dos homens sua raiz mais profunda.