Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Nadja Kouchi
Nadja Kouchi

Responsável por revelar e consagrar diversos nomes da cena artística brasileira e internacional, o Metrópolis, programa produzido e exibido há 30 anos pela TV Cultura, transpira cultura, diversidade e cosmopolitismo. Para comemorar estas três décadas dedicadas à cobertura e divulgação da arte, a revista eletrônica realizou, na última terça-feira (10/4), um evento especial no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. Neste domingo (15/4), o programa leva ao ar uma edição especial com os melhores momentos da comemoração – celebrada ao lado de cineastas, atores, músicos, artistas plásticos, importantes galeristas e curadores internacionais. A atração vai ao ar às 19h30, na TV Cultura, no site da emissora, no YouTube e no aplicativo Cultura Digital.

Comandado pelos apresentadores Adriana Couto e Cunha Jr. – que, por sua vez, já está no programa há 28 anos –, a festa também conta com discursos emocionantes do presidente da Fundação Padre Anchieta, Marcos Mendonça, e do diretor do programa, Hélio Goldsztejn. Além disso, em meio às trocas de palco, videoprojeções do Coletivo BijaRi, intervenções do grupo Parlapatões e a apresentação de um slam por Roberta Estrela D’Alva, apresentadora do programa Manos e Minas, compõem a lista de performances do evento.

Entre as atrações principais que terão suas apresentações relembradas no programa, estão a banda BaianaSystem; a cantora e compositora Alice Caymmi; e a orquestra Jazz Sinfônica Brasil ao lado do premiado Trio Corrente, reunindo o melhor do jazz, da música popular brasileira e do gênero erudito. Para prestigiar os 30 anos do programa, artistas como Filipe Catto, Tulipa Ruiz, Paula Lima, a diretora Laís Bodanzky e o escritor Antonio Prata marcaram presença no evento.

Metrópolis 30 Anos

Há vários elementos que podem colocar em evidência a importância do Metrópolis para televisão brasileira: sua longevidade, a excelência de seus jornalistas e profissionais de produção, o registro histórico da arte e cultura produzidas no País e o espaço aberto a artistas da cena independente. O programa nasceu como um marco do audiovisual nacional. Criou o que hoje chamamos de agenda cultural e quebrou paradigmas ao se dedicar em sua totalidade à arte e à cultura, na contramão do entretenimento pelo entretenimento, reforçando sua missão de promover um conteúdo vibrante e inteligente em todas as áreas de relevância social.

Em 30 anos, foram mais de 7 mil edições do Metrópolis, com reportagens, entrevistas e debates. Entre muitos destaques, o programa recebeu em seu estúdio grandes nomes da música, como Cássia Eller, Chico Science, Tom Zé, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Criolo, Martinho da Vila e Hermeto Pascoal. Na dramaturgia, nossos arquivos contam com entrevistas de Fernanda Montenegro, Bibi Ferreira, Tarcísio Meira, Denise Fraga, Wagner Moura, Zé Celso, Plínio Marcos e Antunes Filho. Dinâmico e completo, o Metrópolis também teve como convidados nomes de referência nas artes plásticas, cinema e literatura, como Laerte, Angeli, José Padilha, Fernando Meirelles, Hector Babenco, Lais Bodansky, Ugo Giorgetti, Ziraldo e Augusto de Campos. O programa também é reconhecido por seu alcance internacional, já tendo entrevistado nomes como Slash, B.B. King, Ozzy Osbourne e Quentin Tarantino.

Todos esses fatores fazem com que a cada dia o Metrópolis se torne um lugar diferente para o espectador. Hora é uma galeria de arte, outra um cineclube dos mais aprofundados. Em dado momento, se enche de luz e som para o show do seu artista predileto. Em outro, se assemelha a uma sala de leitura, onde predomina a reflexão sobre como a arte tem o poder de interpretar, ressignificar e modificar a vida. Em todos, é a Cultura em toda sua força a grandeza, tornando a televisão brasileira mais aprofundada, enriquecedora e democrática.