Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

A maternidade vem acompanhada de uma grande lista de “horas certas”. Uma delas é a fase da escolinha para as crianças, que chega repleta de surpresas e descobertas não só para os pequenos, como também para os pais, mães, e responsáveis. Nesta quarta-feira, o Momento com o Especialista convida a psicóloga Renata Yamasaki para auxiliar os familiares nesse processo.


Pergunta: Minha filha de três anos entrou na escolinha esse ano. Ia tudo bem, até que a professora chamou a atenção dela. Ela já era muito tímida, mas agora piorou. Não quer ir para a aula, chora e, desde o ocorrido, vem tendo febre e vômito sempre que começo a arrumá-la para ir à escola. Quando a deixo chorando, logo me ligam porque ela está com febre. Isso pode ser psicológico? O que posso fazer para ajudar minha filha a voltar a gostar da escola?

– Thaís

Resposta: Thaís, neste caso, creio que é psicológico, porque tudo ia bem como você relatou. É necessário avaliar os fatos. Não acredito que deva ser só pelo fato da professora ter chamado a atenção dela! Se foi só por isso, é necessário trabalhar os limites com ela. Já tive um paciente de 2 anos e meio que quando ia para a escola, fechava os olhos e não falava uma palavra até sair. Quando chegava em casa, parecia que nada tinha acontecido. Trabalhei isso com os pais e com a escola. Ele continuou indo para a escola e a professora o deixava à vontade para participar ou não das atividades. Com o tempo, ele voltou a falar e a brincar com os amigos. Mas cada caso é um caso. Se não der certo, e tiver febre e vômito, experimente trocar de escola. Mas, se ela apresentar este comportamento em outra escola, leve-a ao psicólogo e faça orientação de pais.


Pergunta: Meu filho tem 1 ano e 2 meses e fico com ele em tempo integral. Decidi dar um tempo na minha carreira até que eu me sinta segura em colocá-lo em uma escolinha. No entanto, tenho medo de estar privando ele de desenvolver algum sentido, por não estar nesse convívio com outras crianças diariamente. A minha pergunta é: qual é a idade mais indicada para a criança ir para a escola? Quando esta necessidade se torna imprescindível para o seu desenvolvimento? Até quando é saudável para a criança ficar com a mãe?

– Karina

Resposta: Karina, você fez uma ótima escolha! Que bom que para você foi possível. Não sou contra mães que optam por trabalhar ou necessitam trabalhar. Mas, para quem toma esta decisão e entende que será uma boa fase: excelente!

Filhos precisam de mães que cuidam, que dão afeto, atenção e carinho. Eles se tornam adultos mais saudáveis. Mas não se esqueça que você também é prioridade. Separe uma hora do seu dia para fazer algo que goste. Não existe uma regra para ir à escola, mas acredito que 2 anos, 2 anos e meio, seja o ideal. Com esta idade a criança já começa a falar, já fez o desfralde e consegue interagir socialmente com amigos!