Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 11.544 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

panamericanworld.com
panamericanworld.com

Então, teremos Neymar apenas na Olimpíada? Não creio que isso seja motivo de preocupação para o jogador do Barcelona. Até cheguei a achar que Neymar queria jogar tudo, Copa América e Olimpíada. Mas ao não fazer questão de acompanhar a seleção até Assunción, depois de ter levado o terceiro cartão amarelo contra o Uruguai, mudei de ideia. Não deixo de levar em conta que ele pudesse ter bons motivos pra isso. E se fosse esse o caso deveria ter dito a razão que o levou a partir. Sei que ninguém tem nada a ver com a vida dele. Mas virar celebridade exige atitudes que são mesmo um pé no saco. Dar satisfações, às vezes, é uma delas. Quem acha que a fama é só "tudo de bom" corre o risco de quebrar a cara.

E Neymar não tem do que reclamar, ficou com o filé. Ou você aí, no lugar dele, iria preferir a Copa América? Não bastasse o ineditismo desse ouro que sempre nos desafiou, os Jogos têm um alcance planetário, serão disputados "em casa" e comportam até um ar de curtição, ainda que as estrelas do futebol costumem ficar longe da efervescente Vila Olímpica.

Já para o Dunga tudo muda. A dose de Neymar que lhe foi autorizada, claramente, impõe limite às suas possibilidades. Imaginem vocês que o Brasil conquiste o ouro. Dunga estaria com ar de redimido. Teria dado ao Brasil o que ele nunca havia conseguido. É! Mas vai aí uma questão temporal. Primeiro virá a Copa América e, só depois, os Jogos Olímpicos. E se a na Copa América a seleção voltar a mostrar o futebol sem brilho como tem feito ultimamente é provável que Dunga não volte a ter direito a mais uma dose de Neymar. Não espero que Dunga admita, mas diante dessa situação ele perde muito do oxigênio que ainda tem pra gastar.

Talvez fosse o caso de pensar melhor. Quem sabe se recolher, deixar que Rogério Micale tocasse o rolo com os meninos pra que ele pudesse se preocupar só com o time principal. Evitando, por exemplo, sair vivo da Copa que será disputada nos Estados Unidos e colocar tudo a perder caso o time olímpico brasileiro não consiga fazer no Rio o que se espera dele. Quanta ingenuidade a minha, não é ? Mas não seria loucura, seria? Evitar certo risco. Seria até uma forma de mostrar respeito pelo trabalho que lá está sendo feito. Muitos a essa hora estão pensando: o que quer esse sujeito? Proteger o Dunga? Não se trata disso não. E o Dunga, por sua vez, se desse com os olhos nestas linhas diria, no mínimo, com aquele olhar de desprezo, que se tivesse medo de perder não seria técnico de futebol, seria jornalista. Mas que ele fique sabendo que mesmo se conquistar o ouro não estará livre de ouvir dos seus críticos que Micale teve um bom quinhão na conquista. E não poderá dizer que não é bem assim. Fazer o Barcelona mudar de ideia, portanto, virou prioridade. Mais do que mudar o jogo... a postura do time catalão pode moldar histórias.