Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 66.028 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Muitas vezes, a busca por uma educação perfeita se vincula à maneira como os pais criam seus filhos, tal como a quantidade de “nãos” que são ditos e os limites a serem impostos. No entanto, essas práticas podem ser interrompidas pelo medo de frustrar os pequenos. Para auxiliar os pais e responsáveis a compreender a melhor forma de agir em momentos como esse, o Momento com o Especialista desta quarta-feira consultou a psicóloga Renata Yamasaki, que responde a perguntas sobre o assunto.


Pergunta: Tenho uma filha de 4 anos e 5 meses que é bem agitada. Ela fala o tempo todo e com uma voz fina, que ela também faz quando está brincando com a boneca. Esse comportamento é normal pra idade dela?

– Cleidiane

Resposta: Sim, é normal. No entanto, sempre pontue que ela não é mais um bebê. Nas brincadeiras, deixe ela falar como quiser. Se não adiantar, quando ela falar, diga que não está entendendo até que ela fale normalmente.


Pergunta: Estou passando por uma situação difícil: meu filho tem pavio curto e constantemente tem sido chamado de gordo e gay no colégio, o que o deixa irritado. Nessas situações, acaba batendo no colega que o provoca. Quando alguém vem e bate nele, ele também revida, porém se não for provocado ou não baterem nele antes, ele não é de bater e nem de provocar. Já conversei várias vezes com ele sobre essas coisas, que não tem que dar ouvidos para essas provocações, que quando ocorrer de baterem nele, tem que contar para a professora e não revidar. Também já o deixei de castigo, tirei direitos, mas nada resolve. Ele fala que não aguenta quando provocam ele, especialmente um colega, que o faz constantemente. Quase todos os dias ele volta pra casa chorando. A coordenadora da escola o deixa sem brincar, porém ele me verbaliza que fica triste, pois só ele perde o recreio ou a brincadeira e os colegas não. Queria a opinião de vocês e também saber como agir com relação a tudo isso.

– Andressa

Resposta: Você precisa orientar o seu filho a se afastar desses amigos maldosos, não retrucar, não dar bola. A você, cabe falar com a coordenadora da escola e explicar o que está acontecendo. Acho que seria importante chamar essas outras crianças para conversar. Se ele de fato estiver acima do peso, você pode ajudá-lo com uma dieta o levando até uma consulta com um nutricionista e incentivá-lo a praticar esportes. Além disso, ele precisa aprender a lidar com essa irritação e falta de paciência.

Pergunta: Meu filho tem 9 anos e ele não sabe ler, esquece muito rápido tudo que vê na aula e não consegue juntar as letras para formar uma palavra. Ele pode ter dislexia?

– Deilma

Resposta: É necessário fazer primeiro uma avaliação psicopedagógica para saber a forma que ele aprende e como ele aprende. Não conheço o método de ensino que ele está sendo ensinado. Juntamente com a avaliação, sugiro um acompanhamento terapêutico para um auxílio da equipe de profissionais. Todas as crianças aprendem. O necessário é descobrir como elas aprendem!


Pergunta: Meu filho tem 2 anos e 8 meses e voltou a fazer xixi e cocô nas calças e também no colchão. Ele não aceita mais fazer no banheiro. Antes, com 2 anos, ele já fazia tudo certinho e passava a noite inteira sem molhar o colchão. Agora, regrediu e fala como nenê também. Como proceder?

– Ana Carolina

Resposta: Basicamente, o que eu posso aconselhar, pois não conheço a dinâmica da família, é que ele está querendo dizer algo. Talvez ciúmes ou falta de atenção! Não volte a colocar fralda. Converse com ele. Sei que muitas vezes isso parece não funcionar, mas é o caminho. Continue colocando ele para fazer xixi e cocô no banheiro, mesmo que chore. Fique com ele e diga que ele já sabe que lá é o lugar certo. Pode também estabelecer algumas consequências, caso continue. De dia, faça ele ajudar a limpar o chão que sujou, levar a cueca e o calção.