Fundação Padre Anchieta

Custeada por dotações orçamentárias legalmente estabelecidas e recursos próprios obtidos junto à iniciativa privada, a Fundação Padre Anchieta mantém uma emissora de televisão de sinal aberto, a TV Cultura; uma emissora de TV a cabo por assinatura, a TV Rá-Tim-Bum; e duas emissoras de rádio: a Cultura AM e a Cultura FM.

CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS

Rua Cenno Sbrighi, 378 - Caixa Postal 11.544 CEP 05036-900
São Paulo/SP - Tel: (11) 2182.3000

Televisão

Rádio

Acontece

Cruyff.jpg

Muito tem sido feito em nome do futebol. Por ele quase nada. O raciocínio vale pro sujeito que faz do tempo de propaganda algo maior do que o próprio bloco de notícias esportivas, transformando um programa de rádio, por exemplo, em um verdadeiro teste de paciência. Ora, sem os patrocínios não existiria o programa, dirão os espertos. Mas esse é só um detalhe. De repente, o texto foguete não é mais um texto publicitário, gravado com outra voz. Agora está com o locutor, que no lugar da deixa, empolgado, solta algo do tipo: lá vai fulano pela direita para os caminhões tal. Como assim? Para os caminhões tal ? O sujeito ali corre é para o time que defende e, hoje em dia, olhe lá.

Mas os homens de mercado juram que estão cuidando do produto. E eu vos pergunto: em que planeta um esporte bem cuidado seria tratado assim? Houve um tempo em que pagar uma TV por assinatura te dava o direito de ver o seu time além do sinal aberto. Pouco depois já não bastava. Passou a ser preciso pagar a assinatura e uma outra, a do pay-per-view. Como isso pode ser condizente com algo que se pretende popular, que se fez grandioso sendo popular ? Detalhes que têm minado silenciosamente esse patrimônio cultural brasileiro.

Não existe acaso quando nossa seleção vira um time comum, ou quando um time do tamanho do São Paulo se apresenta no Pacaembu para dois mil e novecentos espectadores. E nem vamos falar no óbvio, que é a atual pobreza técnica do jogo, mesmo porque é difícil dizer com exatidão se, diante de tudo isso, ela é causa ou efeito. Há mercadores por aí que talvez creiam que o futebol moderno sobreviverá sem a presença do público. E eu não duvido. Eu só duvido é que ele volte a ter a beleza e o apelo que tinha quando levava mais de cem mil ao Morumbi, ao Maracanã. Ainda que isso não fosse a regra como gostam de lembrar alguns.

Hoje em dia até os que dizem torcer jogam contra. Nos últimos dias times como a Portuguesa, o Palmeiras, o Atlético Paranaense, a Ponte Preta e o Flamengo foram intimidados por supostos torcedores exigindo resultados, como se o jogo de bola fosse uma ciência exata. No caso do time carioca o grupo tinha oito torcedores. Vejam o tamanho da representatividade! Ainda assim, de tão importantes conseguiram uma audiência com o elenco rubro-negro. É por essas e outras que não paro de me perguntar: quem tem feito algo pelo futebol? Johan Cruyff certamente fez !